Fernando Brízio

Fernando BrízioDesenho Habitado – até 27 de novembro, 2011, no antigo Convento da Trindade.

Trata-se da primeira retrospectiva de um dos mais conceituados designers portugueses. Esta exposição faz parte da programação da EXD\’11 Lisboa. Brízio (n. Huila, Angola, 1968), desenvolve, desde 1999, projectos de design de produto, cenografia e exposições para a Authentics, Details, Protodesign, Atlantis, JM Glass, Droog Design, Coreógrafo Rui Horta, Modalisboa, DIM-Die Imaginäre Manufaktur, Intramuros, Fabrica/Benetton, Schréder, Lux/ Loja Atalaia e Cor Unum. Veaqui outro artigo da Making Art Happen sobre a EXD’11 Lisboa.

© peça de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

Consciente do papel do designer enquanto construtor de um mundo artificial que o ser humano vai habitar, Brízio trabalha os objectos enquanto “suportes de relações” com o corpo, através dos quais experienciamos a realidade.

Esta intuição sensível informa projectos onde o humor, a subjectividade e a emoção se aliam a uma consciência aguda do funcionamento dos objectos e seus utilizadores num contexto que não é físico mas também sócio-cultural, político e económico. (texto EXD’11 Lisboa).

O espírito dos objetos.           

Os objetos criados por Fernando Brízio têm uma ideia que vai muito além do objeto em si. Constroem uma narrativa própria. Estabelecem um jogo, de aparente paradoxo, entre aquilo que o objeto estará destinado a fazer e a sua forma. As suas criações têm um espírito intrínseco.

Esta retrospetiva, dá-nos uma visão do percurso de Brízio onde encontrarmos uma capacidade persistente de agregar surpresa e ironia à sua obra, permitindo leituras multi-facetadas. A relação com materiais é, naturalmente, inteligente, utilizando formas e princípios simples. Um manifesto sobre a natureza mutável dos objetos. Um desafio à vontade do utilizador e contexto de utilização.

Talvez o aspeto que mais surpreende é a capacidade que as suas criações têm de gerar uma relação emocional com o utilizador, não só pelas referências a que aludem, muitas vezes de carácter humorístico, mas, também, pelas pistas de descoberta, que parecem deixar adivinhar o processo criativo do designer.

© peça de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© peça de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© peça de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© peça de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© design de Fernando Brízio, banco handle

© peças de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© peça de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© peça de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© peças de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© peça de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

© peça de Fernando Brízio, exposição Desenho Habitado, EXD’11 Lisboa, fotografia Making Art Happen

Anúncios