Rui Calçada Bastos: As far as I can see

Rui Calçada Bastos © Rui Calçada Bastos. Cortesia do artista.

A partir do próximo dia 13 de Abril, a Travessa da Ermida, em Lisboa, acolhe a exposição ‘As far as I can see’ que abrange a totalidade da produção vídeo do artista Rui Calçada Bastos. A exposição estará patente até ao dia 26 de Maio de 2013.

Esta mostra é composta por um núcleo de cerca de vinte trabalhos de vídeo concebidos por Calçada Bastos num período de 13 anos, que decorre entre 1999 e 2012. Destaque para a apresentação de trabalhos centrais na sua obra como ‘The Mirror Suitcase Man’ (2004), ‘Studio Contents’ (2004) e ‘If you’re going through hell keep going’ (2012), entre outros.

No dia da inauguração, dia 13, será lançado o livro ‘As far as I can see’ que documenta toda a obra vídeo do artista, com uma nota introdutória de Sabrina Van der Ley, diretora do Museu Nacional de Arte, Arquitectura e Design de Oslo, Noruega e um texto do curador alemão Markus Richter.

Rui Calçada Bastos, still from ‘The Mirror Suitcase Man’, 2004. © Rui Calçada Bastos. Cortesia do artista.

Rui Calçada Bastos

Nasceu em Lisboa em 1971, actualmente vive e trabalha em Berlim. Expõe, regularmente, desde 1995. Frequentou o Ateliê Livre (AtRe) em Lisboa na Escola António Arroio, depois de, aproximadamente, dez anos de residência em Macau. Rui Calçada Bastos frequentou a Escola de Belas Artes do Porto e de Lisboa no curso de Pintura. Terminou o curso de Escultura do ARCO, em Lisboa. Em 2002, foi artista residente na Cité International des Arts em Paris. Foi- lhe atribuída a bolsa Joao Hogan, em 2003, para uma residência artística na Kunstlerhaus Bethanien na cidade de Berlim onde passou a residir. Em 2005 foi nomeado para o Prémio União Latina. Foi um dos elementos fundadores do projecto INVALIDEN1 – Um espaço de apresentação de projectos de Arte Contemporânea na cidade de Berlim. Em 2006 é-lhe atribuída a bolsa Marcelino Botin e, no ano subsequente, participa num workshop “ Art Summer University” na Tate Modern, em Londres. Em 2008, com o apoio de Fundação Oriente desenvolve novo trabalho em Shanghai. Em 2012, foi artista residente na Villa Aurora em Los Angeles. Ainda em 2012 ganha o primeiro prémio no Festival Internacional de Vídeo de Macau A sua obra encontra-se representada em algumas das mais importantes coleções públicas e privadas como a Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal; Fundação PLMJ, Lisboa, Portugal; NBK-Neuer Berliner Kunstverein, Alemanha; Centro Galego de Arte Contemporânea (CGAC), Espanha; Coleção António Cachola, Portugal; Instituto Valenciano de Arte Moderna (IVAN), Espanha, no Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, Brasil, no Museu de Arte Contemporânea dos Açores, Portugal, entre outras.

Rui Calçada Bastos, The Rui Calçada Bastos, video ’If you’re going through hell, keep going’ © Rui Calçada Bastos, cortesia do artista.

Rui Calçada Bastos,  video ’If you’re going through hell, keep going’ © Rui Calçada Bastos, cortesia do artista.

 

Anúncios