João Louro | Sous Le Trottoir la Plage

João Louro, ‘REVOLUTION’, 2007. Neon dim. 200 cm length, cortesia do artista e de Cristina Guerra Contemporary Art. Em exposição no Museu do Neo Realismo, Vila Franca de Xira, 2012.

> 3 de março de 2012 @ Museu do Neo Realismo

Como efeito de despedida e sintoma ao mesmo tempo de uma reflexão atualíssima, a última exposição do ciclo de arte contemporânea ‘The Return of the Real’ fica marcada por uma insinuante peça de néon que invade o espaço do átrio do Museu do Neo Realismo. Revolution, a palavra, resplandece, desde logo, a azul-turquesa, como signo de uma intensa ambiguidade deceptiva. Será que comunica ainda um conceito político, um slogan, ou antes uma ideia de consumo, uma marca registada? Aliás, esta interrogação é obrigatória, incontornável mesmo, pois a palavra “revolution”, com as letras desenhadas em lâmpadas fluorescentes, remetendo para os painéis publicitários do século passado, é ladeada não pelo “r” de marca registada, mas pelo seu sucedâneo, esse “c” minúsculo inserido num pequeno circulo que “garante” os direitos de autoria, como se a ideia de “revolução” pudesse ser atribuída a um só autor ou proibida a sua disseminação abusiva.

O que um exímio manipulador de signos, como João Louro, nos propõe com esta palavra, simultaneamente flagrante, estranha e familiar, é a experiência da sua aparente mas paradoxal irrelevância, o seu atual desgaste ao nível do significado, apesar do contexto efervescente ditado pela crise económica da europa e do mundo ocidental. Será que a expressão Revolution se converteu ao longo dos tempos num alvo à mercê de interpretações apropriacionistas, transformando-se num território verbal de exploração exaustiva e quase arbitrária?

Curadoria: David Santos

João Louro é representado por Cristina Guerra, Contemporary Art

links:

João Louro

Cristina Guerra, Contemporary Art

Museu do Neo Realismo (Vila Franca de Xira)

Anúncios