João Maria Gusmão + Pedro Paiva

João Maria Gusmão + Pedro Paiva, Darwin’s Apple, Newton’s Monkey, 2012, 16mm Filmstill, Photo: João Maria Gusmão + Pedro Paiva, courtesy the artists.

até 19.08.2012

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

‘those animals that, at a distance, resemble flies’

@  Kunsthaus Glarus (Suíça)

“metafísica recreativa”

Esta é a primeira exposição individual, numa instituição suíça, da dupla portuguesa João Maria Gusmão + Pedro Paiva que, de forma sucinta, descrevem o seu trabalho como “metafísica recreativa”. Serão apresentados novos filmes e um corpo de trabalho desenvolvido, especialmente para esta mostra. Conhecidos pelo seu sentido de humor, os artistas utilizam dispositivos ópticos e realizam experiências enigmáticas que desafiam a compreensão humana e, pretendem, indagar a lógica da ilustração e refletir sobre a complexidade inerente à produção de imagem. Os temas são muitos e variam entre a iluminação-antropológica, experimental-artístico e filosófico-mágico. Evocam o científico, o absurdo e mundos imaginários.

João Maria Gusmão + Pedro Paiva produzem os seus mini-filmes com os meios mais simples de que dispôem e não utilizam som. Trabalham com atores amadores e criam efeitos especiais sem equipamento técnico de grande escala. A estética dos seus filmes remete para os filmes mudos, para o cinema clássico dos anos vinte, do século XX, e para os primeiros documentários científicos. Uma importante fonte de inspiração para esta dupla de artistas pode ser encontrada na literatura do escritor francês René Daumal (1908-1944), que recorreu à abissologia, uma ciência fictícia do abismo, para criticar a perda de mito na sociedade moderna. Assim como em Daumal, nos filmes, fotografias e esculturas de Gusmão/ Paiva existe uma sobreposição da informação científica com o surreal. Nos seus filmes desenvolvem um subtil realismo mágico provocando, assim, a discussão e análise dos sistemas epistemológicos da nossa percepção. As suas obras sugerem desconfiança sobre uma verdade universal ou história, produzindo uma visão alternativa do mundo algures entre a ciência e o mito, onde a busca racional de conhecimento utilizando meios tecnológicos é misturada com uma percepção surrealista.

João Maria Gusmão (n. 1979) e Pedro Paiva (n. 1977) trabalham juntos em filme, escultura e instalação, desde 2001. A suas obras foram apresentadas em exposições individuais na Kunsthalle Düsseldorf (2011), na Galeria Ikon, Birmingham (2010), na Mercer Union Centre for Contemporary Art Visual, Toronto (2009), no Hannover Kunstverein (2009), no CCA Wattis Institute de Arte Contemporânea, São Francisco (2008) e no Museu de Arte Contemporáneo de Castilla y León (2007). Participaram em várias exposições colectivas, a título de exemplo: na Exposição de Arte e Filosofia no Berliner Neuer Kunstverein (2011), na exposição Estação Experimental de Pesquisa e fenômenos artísticos no Centro de Arte Dos de Mayo, Mostoles, Madrid (2011) , no Magic Show, uma exposição itinerante na Hayward Gallery, Londres (2010), nas exposições Leopardos no Templo, Sculpture Center, Nova Iorque (2010), na 53a Bienal de Veneza (2009), na Manifesta 7 – European Bienal de Arte Contemporânea de Rovereto (2008), Bienal de VI Mercosul, Porto Alegre (2007) e da XXVII Bienal de São Paulo em São Paulo (2006). Vivem em Lisboa.

aqui outros artigos deste blog sobre estes artistas.

© imagens cortesia dos artistas e de Kunsthaus Glarus.