Carla Cabanas

“Saudades e lagrimas são o unico lenitivo para a grande auzencia”

Inauguração: 27.11.2013 (21h30m)

> 27 de Novembro a 4 de Janeiro 2014
Fotografia intervencionada e vídeo.

Neste mais recente conjunto de trabalhos, a artista expõe a imprecisão do que fica registado na memória na sequência da sua análise sobre o que resulta entre o que foi a realidade, o que imagem registou e o que deixou no tempo. Para isso, desenha, disformando e deformando o tempo, registando a ausência de memória nos resíduos que resultaram do escavamento da emulsão fotográfica. Estes restos de uma acção funcionam como uma metáfora dessa selecção do tempo para falar sobre a transitoriedade da memória.

Chamando a atenção para a condição incontrolável da realidade arquivada na imagem, a proposta de Carla Cabanas desloca-se do sentido concentrado e unificado da fotografia e para falar da imagem enquanto arquivo de memória num sentido mais fugaz. Além disso, apoiando-se nessa fugacidade, as obras de Carla Cabanas não podem ser consideradas apenas fotografias já que, ao serem intervencionadas, e ao se ter registado essa acção, produto de um acontecimento temporal, estas fazem incursões na área do desenho ou da performance. Ao redesenhar sobre o que existe na imagem a artista mostra que não controlamos o que ficou: o que permanece são resíduos e figuras difusas e o reconstruído sobre os vestígios e sobre as marcas que perduraram no tempo.

Este projecto teve o seu início com a série “Álbum Cabanas”, desenvolvendo-se com “Álbum Desconhecido” e o “Álbum Arquivado”, que consistiu na revelação de um conjunto de fotografias de família em poses tipificadas. O conjunto de 35 fotografias (40 x 60 cm) que a artista apresenta nesta sua segunda exposição individual na galeria Carlos Carvalho, remete-se para a realidade de São Tomé e Príncipe e para o facto de que muitos edifícios históricos, retratados nos postais que Cabanas recuperou, estarem ao abandono, sendo por isso, alvo de invasão da natureza. Deste modo, a Natureza – pujante e sólida – é o elemento invasor da preservação da memória colocando- se numa espécie de linha do tempo, visível pela maior ou menor intensidade dos traços escavados na película. Carla Cabanas retira elementos da paisagem através do desenho, transformando-a – omitindo, seleccionando e escavando.

+ info:

Carla Cabanas

Carlos Carvalho Arte Contemporânea (Lisboa)

Clique nas imagens para ampliar:

(C) imagem e texto: cortesia Carlos Carvalho Arte Contemporânea, Lisboa, 2013.

Anúncios