Cultural Revolutionaries (1)

Gao Brothers © Gao Brothers

Ai Weiwei não é o único artista contemporâneo chinês a ultrapassar os limites e a colocar o regime de Beijing nervoso. Outros artistas chineses destacam-se, também, pela sua intervenção política.

Alguns deles, pouco conhecidos, fora da china, como é o caso de Chen Li, 57 anos, até ao dia em que chocou as autoridades chinesas e foi condenado a 1 ano de trabalhos – “re-education through labor”. Motivo: a provocadora performance ‘Art Whore’ no Museu de Arte Contemporânea de Beijing. Durante a qual Cheng fez sexo ao vivo, com uma mulher, em dois  locais diferentes da exposição, enquanto os seus patrocinadores assistiam. Segundo ele, a peça pretendia mostrar “the popular trend of commercializing art is nothing but a trade of sex for commercial  benefits.” O destino da mulher, que também foi presa, não é conhecido.

Cheng Li, performance ‘Art Whore’ no Museu de Arte Contemporânea de Beijing.

Gao BrothersGao Zhen, 1956 e Gao Qiang, 1962, naturais de Jinan e as suas razões  pessoais. O pai, operário numa fábrica, foi preso durante a Revolução Cultural Chinesa e enviado  para o campo com o objectivo de se ‘re-educar’. Pouco tempo depois a família recebeu a  notícia de que teria cometido suicídio. A obra dos dois irmãos exerce, assim, uma forma de vingança contra o regime. Apesar do seu sucesso internacional, estão proibidos de expor, em galerias e museus, na China. Criaram, então, outra forma de mostrar o seu trabalho: organizam várias festas privadas, ao longo do ano, onde exibem as suas peças, o local onde a festa vai decorrer só é revelado algumas horas antes via sms. 

“I don’t consider myself a dissident at all, I never even think about this question. I just use art to express what I want to express”  Gao Qiang

A seguir imagens de algumas obras © Gao Brothers:

Anúncios