Ana Tecedeiro | Tiago Mourão: Paisagens Improváveis

@ Bloco 103, Lisboa

21.03 – 12.05.2013

A galeria Bloco 103 dá continuidade à sua missão de apresentação de novos valores, no próximo dia 21 inaugura uma mostra conjunta dos jovens artistas Ana Tecedeiro e Tiago Mourão, intitulada ‘Paisagens Improváveis’.

São ‘Paisagens Improváveis’ porque segundo Miguel Justino Alves, director da galeria: ‘Há fios que se interligam sem se mostrarem óbvios. É assim, uma clarividência que se assume. E se o tempo corre sem sonho, ainda existem jovens pintores que se afundam na sua procura, com uma percepção e interioridade, com uma serenidade e paciência, que transformam esse tempo sem sonho numa realidade visível.’ 

Ana Tecedeiro, © Ana Tecedeiro, cortesia de Bloco 103, Lisboa, 2013.

Ana Tecedeiro, © Ana Tecedeiro, cortesia de Bloco 103, Lisboa, 2013.

A memória é um dos elementos fulcrais no trabalho de Ana Tecedeiro, construído por inúmeros registos, que envolvem e evocam o quotidiano. Esta recolha ou apropriação, relembra o olhar pueril de uma criança, atento, curioso e desprovido de resistência. Embora este olhar possa parecer ingénuo, concentra em si uma significação profunda, remete-nos para lugares e experiências passadas, não obstante, tem o poder de as reformular.

O seu trabalho possui uma grande versatilidade, não só em termos técnicos, assumindo diferentes abordagens, como uma extraordinária coerência formal e conceptual. A apropriação está bem patente, tanto nos seus trabalhos bidimensionais, nos quais a introdução de certos elementos provocam uma reconstrução pensada que subverte os elementos puramente visuais e pré-adquiridos, como na construção tridimensional, em que Ana Tecedeiro concentra, circunscreve e deposita objectos, entre cubículos ou caixas de madeira, e estes assumem uma vivência própria, concentrando em si reminiscências de um passado onde o espectador se revê e revisita, mas ao mesmo tempo reconstrói os diferentes espaços e os concentra num só.

Ana Tecedeiro, © Ana Tecedeiro, cortesia de Bloco 103, Lisboa, 2013.

Ana Tecedeiro, © Ana Tecedeiro, cortesia de Bloco 103, Lisboa, 2013.

Ana Tecedeiro nasceu em Santarém em 1979. Vive e trabalha em Lisboa.

Teve diversas experiências nas áreas da fotografia, serigrafia, ilustração biológica, teatro e dança. Entrou para a Faculdade de Belas-Artes com o objectivo de estudar escultura mas saiu licenciada em pintura. Viveu durante 3 anos em Évora, onde tirou o mestrado em Artes Visuais-Intermédia pela Universidade de Évora, tendo defendido uma tese sobre a relação entre a arte e o nada. Tem-se dedicado ao ensino de pintura e desenho. Expõe desde 1995 e o seu trabalho está representado em colecções privadas e institucionais. Foi seleccionada para diversos prémios, nomeadamente Novos Criadores-S. João da Madeira’2005 (1º Premio de desenho); Prémio Revelação Celpa-Vieira da Silva’2003; Cena d’Arte’2004 (Menção Honrosa); 7º Prémio Fidelidade Jovens Pintores’2002. É representada por Bloco 103 – Arte Contemporânea.

Tiago Mourão, © Tiago Mourão. Cortesia da Galeria Bloco 103, Lisboa, 2013.

Tiago Mourão, © Tiago Mourão. Cortesia da Galeria Bloco 103, Lisboa, 2013.

A pintura de Tiago Mourão constrói entre ausências. Estas paisagens já não são desertas, mas estão ainda cheias de silêncios. Insistindo num olhar mais inquiridor, distingo a presença de três forças que se tensionam mutuamente:

Os Objectos Construídos: Não importa se são tendas, prédios ou mesas de ping-pong. Valem pelo que são em si mesmos, impõem-se segundo leis próprias. Apesar disso, escapam-se para os territórios do mistério quando os questionamos: para que serve, o que é, qual a sua verdadeira dimensão, será habitável, será confortável?

O Construtor: Não há nestas pinturas vislumbre de presença humana. A humanidade ou já partiu ou tardará a chegar. O único ser que por ali andou foi o pintor/arquitecto obsessivo e rigoroso. Não está representado, mas sentimo-lo. Ainda ali está. Como se nos olhasse enquanto observamos as suas paisagens.

A Atmosfera: Presença soberana no vazio primordial que o artista/construtor povoa de volumes. A atmosfera tem poderes que escapam ao controle do pintor. Ele sabe que também ela é criadora, geradora de sombras, de luzes, de efeitos cromáticos. Que não lhe podemos seguir as arestas ou contornar-lhe os planos, que as suas regras são outras. Respeitá-la é dar-lhe espaço e dar-lhe poder sobre o espaço. É a imaterial, indomável, poderosa co-habitante destas paisagens.

Tiago Mourão, © Tiago Mourão. Cortesia da Galeria Bloco 103, Lisboa, 2013.

Tiago Mourão, © Tiago Mourão. Cortesia da Galeria Bloco 103, Lisboa, 2013.

Tiago Mourão nasceu em Lisboa, em 1987, actualmente vive e trabalha em Almada. Concluiu a licenciatura de Pintura, pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Anteriormente, frequentou o curso de História da Arte na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É representado por Bloco 103 – Arte Contemporânea.

_______________________________________________________

Consulte os projectos desenvolvido pela Galeria Bloco 103, entre 2012 – 2013 (clique para entrar):

B01

B02

Anúncios