The Progress of Love (a construção do amor)

Malick Sidibé, Nuit de Nöel Courtesy of the artist and Jack Shainman Gallery, NY

Malick Sidibé, Nuit de Nöel Courtesy of the artist and Jack Shainman Gallery, NY

The Progress of Love (A Construção do Amor) é um projecto expositivo que analisa o amor na perspectiva da antropologia social, tendo em conta os movimentos interculturais associados. As três mostras, que constituem a exposição, traçam uma narrativa que aborda o amor na perspectiva romântica – de amor ideal, enquanto experiência vivida e quando resulta em perda.

São muitos os estudos realizados sobre a forma como os media, a tecnologia e o capitalismo afectaram, ao longo dos últimos séculos, a compreensão dos paradigmas do amor. No entanto, muito pouca atenção tem sido dada ao impacto dessas forças em África ou até mesmo ao estudo dessas matérias. The Progress of Love tem, assim, como objectivo explorar as várias facetas do amor no continente africano: o romântico, o amor-próprio, a amizade, o afecto familiar, o amor à pátria e outras temáticas paralelas.

Embora a exposição diga respeito à arte produzida em África, outras obras foram incluídas e visam chamar a atenção para o intercâmbio global, através do qual tais conceitos se desenvolvem e, também, para aspectos comuns e diferenciados que fazem parte da experiência do amor. 

The Progress of Love ao promover uma reflexão sobre a influência que a tecnologia, a economia e outros factores sociais exercem sobre o amor, procura, assim, responder a várias questões, entre elas três fundamentais: acerca da sua universalidade, intemporalidade e construção cultural.

A maior parte dos trabalhos aborda essa temática (o amor), enquanto outros podem ser entendidos como actos de amor, pela sua génese ou pela experiência que proporcionam. Criado, especialmente, para esta exposição, o projecto do artista Romuald Hazoumè: uma ONG, com sede em Cotonou, no Benin, a partir da qual promove o artista uma acção de solidariedade, através de donativos, dirigida aos povos ocidentais, a fim de expressar o seu amor e compaixão, por esses povos, e contribuir para a sua felicidade – uma reavaliação crítica da solidariedade e da correlação amor/ dinheiro.

A mostra reúne o trabalho de mais de 20 artistas de diferentes origens: África, Europa e América.

Meios: fotografia, instalação, performance, pintura e vídeo.

Artistas:

Adaora Nwandu – Andrew Esiebo – Billie Zangewa – David Goldblatt – Dineo Seshee Bopape – Emeka Ogboh – Felix Gonzalez-Torres – Jelili Atiku – Joël Andrianomearisoa – Kelechi Amadi-Obi – Kendell Geers – Lyle Ashton Harris – Mary Ellen Carroll – Nadine Robinson – Ricardo Rangel – Romuald Hazoumè – Senam Okudzeto – Sophie Calle – Temitayo Ogunbiyi – Toyin Odutola – Valérie Oka–  Wura-Natasha Ogunji – Yinka Shonibare – Zanele Muholi – Zina Saro-Wiwa – Zoulikha Bouabdellah – Zwelethu Mthethwa.

The Progress of Love foi realizado em parceria com a Menil Collection (Houston, EUA), o Centre for Contemporary Art de Lagos (Lagos, Nigéria) e a Pulitzer Foundation for The Arts (St. Louis, EUA).

Consulte:

The Progress of Love: debate

PL1

Film still : ‘Restless City’ by Andrew Dosunmu. Courtesy of Mahen Bonetti.

Anúncios