Serralves (25 anos)

Casa da Fundação de Serralves. Cortesia Fundação de Serralves.

29 Maio de 2012

Hoje, há 25 anos atrás (1987), abriu ao público a Casa de Serralves como percursora da Fundação que viria a ser instituída dois anos depois. Para comemorar esta data, hoje, dia 29, a entrada na Fundação (Museu, Casa e Parque) é gratuita, no habitual horário de semana. Entre 2 e 3 de Junho realiza-se o evento Serralves em FestaConsultar a programação completa.

Escultura contemporânea do Parque de Serralves. Cortesia Fundação de Serralves.

Contexto histórico

A cidade do Porto foi palco, no período da pós-revolução, de alguns movimentos que reclamaram para a cidade a criação de um espaço de exibição da arte produzida na época. A importância de algumas iniciativas, nomeadamente do Centro de Arte Contemporânea, cuja direcção foi desde o início assumida por Fernando Pernes e que se manteve em funcionamento até 1980, foi fundamental para consolidar o contexto artístico do Porto. Isto mesmo foi reconhecido pela Secretária de Estado da Cultura, Teresa Patrício Gouveia, ao escolher a cidade do Porto para construir um futuro Museu Nacional de Arte Moderna. Para esse feito o Estado adquiriu, em Dezembro de 1986, a Quinta de Serralves.

Nessa data, e até à criação da Fundação de Serralves em 1989, foi constituída uma Comissão Instaladora composta por Jorge Araújo, Teresa Andresen e Fernando Pernes, tendo a Casa e o Parque de Serralves sido abertos ao público a 29 de Maio de 1987.

Em Março de 1991 é assinado o contrato com o arquitecto Álvaro Siza para a elaboração do projecto de arquitectura do Museu. A construção do então designado “Museu Nacional de Arte Contemporânea” foi financiada por fundos comunitários e fundos do PIDDAC.

Reconhecida hoje como uma das principais instituições culturais portuguesas e a mais relevante do Norte de Portugal, a Fundação de Serralves tem desenvolvido um grande esforço no sentido de projectar nacional e internacionalmente a arte dos nossos dias e de divulgar o seu notável património arquitectónico e paisagístico. Em 1996, considerando o seu relevante interesse arquitectónico, o património imobiliário de Serralves foi classificado como “Imóvel de Interesse Público”.

Constituída pela Casa , o Parque, o Museu de Arte Contemporânea, o Auditório e a Biblioteca, espaços que gere na prossecução da sua missão, a Fundação organiza e apresenta anualmente ao público uma programação diversificada de iniciativas, tendo como fins incentivar o debate e a curiosidade sobre a arte, a natureza e a paisagem, educar de forma criativa e promoveractivamente a reflexão sobre a sociedade contemporânea.

Museu de Serralves, autor: arquitecto Álvaro Siza Vieira. Cortesia Fundação de Serralves.