For The Love of Damien Hirst, 2012

Damien Hirst, fotografado, na Tate Modern, ao lado da sua obra: The Physical Impossibility of Death in the Mind of Someone Living 1991. © Damien Hirst.

Damien Hirst

@

Tate Modern

Damien Hirst captou, pela primeira vez, a atenção do público, em 1988, em Londres, quando concebeu a exposição Freeze. Apresentada num armazém abandonado, a mostra incluía o seu trabalho e o dos seus colegas do Goldsmiths College. Passado quase um quarto de século, desde essa mostra, Hirst tornou-se um dos artistas mais influentes da sua geração (Young British Artists). Este é a primeira retrospectiva (numa instituição Britância), dos últimos vinte anos da sua carreira. Reune as suas obras mais emblemáticas. Highlights: as icónicas esculturas da série ‘Natural History’ que inclui ‘The Physical Impossibility of Death in the Mind of Someone Living’, de 1991; ‘A Thousand Years‘, de 1990; a instalação ‘In and Out of Love’, que não era mostrada na sua totalidade, desde a sua criação, em 1991, e ‘Pharmacy‘ de 1992. Para ver até 9 de Setembro de 2012.

Damien Hirst, The Incomplete Truth, 2006. © Damien Hirst. 

‘art can give us hope’

Damien Hirst (n. 1965, Bristol, Reino Unido). Recebeu o Turner Prize em 1995. Vive e trabalha em Londres e Devon. Está representado nas mais variadas e importantes colecções públicas e privadas do mundo. Controverso. É, sem dúvida, um dos mais poderosos artistas contemporâneos e o mais bem sucedido dos Young British Artists. Ainda estudante na Goldsmith, em 1988, foi o curador da exposição, Freeze, realizada em Londres. Nessa exposição, Hirst reuniu um grupo de jovens artistas que viriam a definir a vanguarda da arte contemporânea na década de 1990. Em 1991, expôem pela primeira vez, na Woodstock Street Gallery, numa exposição individual intitulada ‘In and Out of Love‘, na qual encheu a galeria com centenas de borboletas tropicais vivas. Em 1992, integra a exposição Young British Artists na Galeria Saatchi. Nesta exposição, exibiu o famoso The Physical Impossibility of Death in the Mind of Someone Living, um tubarão tigre inserido num tanque de vidro com formol. Os seus trabalhos pretendem, essencialmente, colocar questões, cabe ao visitante criar as suas respostas. “I don’t think there are answers, there are only questions”. Damien Hirst

link: vídeo da visita guiada à exposição com a curadora e Hirst

link: The Guardian – documentário biográfico sobre Hirst

aqui outros artigos, deste blog, sobre Damien Hirst.

aqui um artigo da exposição via Artobserved.

linkresumo de várias críticas à exposição

Damien Hirst. Beautiful, childish, expressive, tasteless, not art, over simplistic, throw away, kids’ stuff, lacking in integrity, rotating, nothing but visual candy, celebrating, sensational, inarguably beautiful painting (for over the sofa), 1996. © Damien Hirst.

Damien Hirst.The Anatomy of an Angel, 2008. © Damien Hirst.

Damien Hirst. In and Out of Love (White Paintings and Live Butterflies), 1991. © Damien Hirst.

Todas as imagens © Damien Hirst. Cortesia do artista.

Anúncios