Bienal de Veneza 2011

Já referi, aqui no blog, dois eventos paralelos e complementares à Bienal de Veneza deste ano: The World Belongs to You e Commercial Break . Hoje, destaco a instalação ‘Ascension’ de Anish Kapoor na Basilica di San Giorgio Maggiore. O projeto tem curadoria de Lorenzo Fiaschi. Como se pode ver, nas fotografias, uma coluna de fumo branco sobe, partindo de uma base circular, em direção à cúpula da nave central da basílica, onde é ‘sugada’. O efeito que provoca e transparece é de tornar tangível o imaterial.  A basílica que partilha o seu nome com a ilha foi construída em 1610, por Andrea Palladio, e é o local onde se pode ver ‘A Última Ceia’ de Tintoretto (que, neste momento, está emprestada à bienal, encontrando-se exposta noutro local).

© Fotografias Via. Mais informação aqui.

O Pavilhão Francês com um trabalho de Christian Boltanski. Trata-se de uma instalação intitulada ‘Chance’. Com curadoria de Jean-Hubert Martin, ex-director do Centre Pompidou. À entrada do pavilhão encontra-se uma passadeira rolante com centenas de rostos de crianças em andamento até que soa um alarme, um dos rostos é iluminado – Chance escolheu uma criança. A primeira sala representa a roda do destino (ou sorte). O visitante é convidado a sentar-se numa das muitas cadeiras onde uma voz (diferentes idiomas em diferentes cadeiras) sussurra: ‘É esta a última vez?’. Para mais informação ler este artigo.

O Pavilhão Português é representado por Francisco Tropa, curadoria de Sérgio Mah. ‘Scenario’ é uma exposição que articula escultura, dispositivos de imagem e fragmentos da natureza. O ambiente geral é enigmático e intemporal, no qual os objectos e as imagens cumprem uma função heurística, a procura de uma percepção sensível e subjectiva sobre a natureza das coisas, e, consequentemente, sobre a experiência da criação e as origens do fazer artístico. Mais info aqui.

Outro evento paralelo Venice in Venice. É uma exposição sobre artistas revolucionários, da década de 60. Califórnia transportada para Veneza. Curadoria de Tim Nye e Jacqueline Miro. Artistas: Peter Alexander, John Altoon, Charles Arnoldi, Don Bachardy, Billy Al Bengston, Larry Bell, Tony Berlant, Wallace Berman, Vija Celmins, Bruce Conner, Ron Cooper, Mary Corse, Laddie John Dill, Jim Ganzer, Joe Goode, Robert Graham, George Herms, Robert Irwin, Craig Kauffman, John McCracken, Ed Moses, Kenneth Price, Ed Ruscha e James Turrell.

Robert Graham, Untitled, 1969

LADDIE JOHN DILL, Aerial Landscape, 1970, Sand, neon, argon with mercury, Dimensions variable, architecturally specific

Ainda, Stress Release Toys for Instant Justice de Narendra Yadav também na Commercial Break. Brinquedos para alívio de stress – prometem justiça imediata aos cidadãos descontentes com os seus líderes políticos. Se forem comercializáveis serão, certamente, um sucesso de vendas.

Outras curiosidades:

Multibanco Artístico – o multibanco da bienal é uma instalação musical.

© Ruth Fremson/The New York Times

E o Blog da Frieze Magazine sobre a Bienal com actualização constante de todos os acontecimentos.

Artista Karla Black

 

Anúncios