Tomas Tranströmer

O poeta sueco Tomas Tranströmer (n. 1931, Estolcomo) é o prémio nobel da literatura 2011. Transtromer é um dos principais poetas suecos, estudou poesia e psicologia da Universidade  de Estocolmo. A poesia de Tranströmer  tem a sua base no modernismo, expressionismo e surrealismo. Contém imagens poderosas, cujo interesse prende-se com questões como a fragmentação e o isolamento. (fonte Poetry Foundation)

Tomas Tranströmer. Ilustração: Mattias Elftorp

“Ele aperfeiçoou um determinado tipo de epifania lirica, na qual

natureza é o sujeito  o ‘eu’ o objecto”. 

Katie Peterson, The BostonReview

No livro “21 poetas suecos”, publicado, em 1981, pela editora Vega, numa obra organizada por Vasco Graça Moura e Ana Hatherly, surge o poema “Lisboa”, onde o poeta sueco destaca elementos típicos de Alfama, fazendo alusão aos presos políticos que se encontravam numa das cadeias daquele zona.

 Lisboa

No bairro de Alfama os eléctricos amarelos cantavam nas calçadas íngremes.
Havia lá duas cadeias. Uma era para ladrões.
Acenavam através das grades.
Gritavam que lhes tirassem o retrato.

“Mas aqui!”, disse o condutor e riu à socapa como se cortado ao meio,
“aqui estão políticos”.

Vi a fachada, a fachada, a fachada
e lá no cimo um homem à janela,
tinha um óculo e olhava para o mar.

Roupa branca no azul. Os muros quentes.
As moscas liam cartas microscópicas.
Seis anos mais tarde perguntei a uma senhora de Lisboa:
“será verdade ou só um sonho meu?”

Tomas Tranströmer
Tradução de Vasco Graça Moura